Asimov

17 10 2008
Asimov

Isaac Asimov

Um dos autores mais interessantes que tenho lido ultimamente chama-se Isaac Asimov, para quem já assistiu  o filme “O Homem Bicentenário” inspirado no conto de mesmo nome vai ligar o nome a pessoa e visualizar melhor o que estou falando. Asimov é considerado um dos pais da Ficção Científica ao lado de Arthur C. Clark, enfim, uma rápida pesquisa pelo Google pode te dar mais informações sobre os dois.
Gosto muito de observar as relações humanas e é o que mais chama a atenção nos escritos de Asimov, como os seres humanos se relacionam entre si, com os robôs e como eles influenciam nas relações dos humanos. Como o próprio autor diz, robôs podem ser definidos como máquinas + processador, ainda que de uma forma simples, por exemplo, uma calculadora, ou seja, a idéia de ter robôs fazendo tarefas dos humanos é bem antiga, no livro que tenho há uma longa introdução sobre essa idéia e as muitas consequências que poderiam e podem ocorrer ao longo da robotização das tafefas realizadas por humanos.
Asimov consegue traduzir sentimentos incríveis através dos seus robôs, a criação da chamada “três leis da robótica”, gera excelentes contos que mostram ora a tentativa das máquinas em entender o comportamento humano e ora a fina linha de alguns robôs com consciência de sua existência e superioridade em acúmulo de conhecimento e tempo de vida. De maneira geral, os robôs sempre foram criados visando o bem estar e proteção da raça humana.
Livros como este me despertam a pensar nos mais diversos assuntos entre a ficção e a realidade, algumas questões do tipo: como lhe dar com a inteligência artificial e a possibilidade de clones a favor da humanidade e questões recorrentes a miséria da alma humana, sim, é nítido o incômodo e rejeição dos humanos pela presença de robôs em atividades e lugares de pessoas.
Os tempos retratados são predominantemente passados em um futuro um pouco frio e obscuro, catástrofes e guerras arrasadores transformaram o mundo, vemos as mesmas características nas relações humanas, volto então a pensar nas questões básicas e não menos importantes da humanidade, mesmo com toda tecnologia, acessibilidade e avanço tecnológico, o Homem continua a tropeçar no primitivismo de uma raça inferior, a intolerância, o preconceito, o egoísmo, a ganância e opressão ao próximo parecem que nunca serão superados pelos “avanços” históricos.
De toda forma, recomendo muito a leitura e profunda reflexão do amigo leitor sobre o legado de Asimov, ainda mais em épocas turbulentas como a que estamos vivendo.

Anúncios

Ações

Information

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: