Água

4 04 2010

Pulei na água! Água viva que dá vida.
Água que me afogo e esbaldo
faço conchinhas com as mãos e me divirto.
Água que me permite rolar, pular, afundar.
Alegria, êxtase e paixão sob sua densidade.
Água compartilhada, com cloro, urinada, salivada.
Quantas borbulhas emocionantes tiradas de mim
bolinhas de CO² e CH4.
Lágrimas e suor são insipientes a sua grandeza.
Quem compartilhará de suas propriedades?
Nem unhas encravadas e fios de cabelos artificiais.
Quando te encontrei, foi assim, me apaixonei.
Há uma corrente entre nós, a água
um pé molhado e um fio desencapado.
Há água! Cuidado!
Nos ouvidos, queimando meus olhos, tirando meus sentidos.
Sem você o xampu e a limpeza não seriam nada.
Turva ou límpida, ainda é.
Como é bom cair na água.
Minha boca está cheia dela.