Sobre o Heavy Metal

20 08 2009

Faz um tempo que queria fazer este pequeno ensaio, contribuindo para minha filosofia dessa vez ligada ao campo da música, o assunto é Heavy Metal e Rock´n´Roll de uma maneira geral.
Gênero adorado e odiado por muitos, principalmente odiado  por uma grande maioria de pais com idéias conservadoras diante do “barulho” que seus filhos se expoem, digo expoem porque é um estilo que você gosta ou não gosta, eu diria que  é muito parecido com uma religião não institucionalizada e quem gosta, gosta desde criança mesmo na maiorida das vezes não entendendo as letras mas de alguma  forma sendo a base de uma vida.
Como uma criança pode gostar deste estilo mesmo sem conhecer o principal idioma em que as músicas são gravadas, o inglês, ou como explicar um garoto em sua adolescência comprar um instrumento e passar exaustivas horas sobre o mesmo tentando tirar o mesmo som daquela música, fazendo até aquela pessoa da casa que menos gosta do som, decore as partes da música, tipo assim, se o cd tivesse o mesmo atrito da agulha do vinil teria furado há muito tempo.
Comportamento rebelde, roupas pretas, cabelos compridos, amigos estranhos, problemas com a polícia, não, nada disso pode ser causado apenas por ser fã de uma banda ou de um estilo e como eu falo do estilo como um todo, me empolgo só de lembrar algumas músicas que marcaram minha vida, falar de Heavy Metal não é falar do passado mas a maior dádiva é saber que as coisas melhores vão surgir e que você pode ir no show da banda.
Gostar de Rock/Metal é ter uma música para cada momento que se vive, empolgar-se ao ouvir a mesma música pela milhionésima vez e notar cada detalhe da música, os músicos, os instrumentos, o ano daquela gravação, a arte da capa, – e ser for vinil melhor ainda – as letras, as roupas, tudo é alvo de muita atenção, creio que devo boa parte do meu aprendizado em inglês as músicas que ouvi e boa parte dos livros que li e ainda leio ligado aos temas de álbuns e  músicas específicas sem falar que qualquer tema cabe ao estilo, desde farras com mulheres à críticas políticas, posso estar enganado mas creio que não existe  estilo que consiga abranger tantas variedades de assunto quanto ao Rock/Metal.
A verdade é que se analisarmos as bandas, principalmente as que surgiram em finais da década de 70 e início dos anos 80, temos um retrato de gerações de todo o mundo, veremos as aspirções, descepções e interpretações dos acontecimentos sociais e políticos no mundo, assim como o rock, o Metal tem um tom de literatura noir, fazendo uso da agressividade e violência como forma de resposta as opressões internas e externas, não ligo o gênero ao comportamento das pessoas socialmente desajustadas, pelo contrário, ao longo de muitos anos acompanhando este estilo, pude encontrar uma maneira clara dos que é limitado a música e o que vai além, ou seja, o estilo que uma pessoa gosta não justifica seu caráter e moralidade.
Poderia discorrer milhares de linhas sobre bandas, álbuns, integrantes, letras e vertentes mas atenho-me a este post, no momento procuro na música algo que seja tão empolgante e a altura deste estilo, possivelmente falarei de assuntos relacinados ao Rock/Heavy futuramente.

Anúncios