Rotina

13 10 2010

Abra a janela, quebre aquela garrafa do outro lado do muro, faça o gato para de miar.
Feche a cortina, preciso apenas da luminosidade.
Preciso de um minuto de silêncio.
O cachorro precisa passear e eu preciso dormir.
Tá vendo o buraco no carpete? Não fui eu.
O tênis embaixo da cama, foi o cachorro que trouxe aí.
Tá ventando, mudei de idéia.
Feche a janela, ligue o som da sala.
Coloque aquela música de poucas batidas em volume baixo,
não quero problemas com o vizinho.
Lavaram o quintal e o jogaram água no cacho de abelha,
elas foram picar o cachorro dele, que é alérgico.
Fiz de conta que não estava em casa, foi um acidente, pisei em falso.
Muda a música por favor, essa aí me dá dor de cabeça.
Abaixa o volume.
Voltando… eu tenho que fazer alguma coisa com esse frio.
Deixei todo o ar quente sair quando você abriu a janela.
Já to indo, já to indo…
Tô me esforçando.
Olha o vizinho ai, não disse que ele ia perceber.
Ah, o cachorro… tá internado.
Tem esse cobertor, dá uma bela cortina.
Resolve o problema do ar quente quando abrirem a janela.
Torradas com geléia de frutas vermelhas, patê natural de azeitona por favor.
Mel para adoçar o leite, hm, parece que alguém mora no campo.
Liga o computador que tenho um trabalho para terminar.
Dá o nosso cachorro pro vizinho, faz menos cocô que o dele.
O que? É demais? Você vai passear com ele?
Por que raios alguém coloca 30 segundos de musica no Myspace?
Ah, aqui está.
Pera, vou ali atrás gritar.
Meu novo blog, criação única.
Tinha um tapete aqui no chão! O cachorro levou!
O vizinho foi embora, desistiu.
Jogou um saco de cocô de cachorro no quintal, menos mal.
Alguém falou pra ele o que o gato dele fez nas plantas ontem?
Agora já foi, ele só quer reconhecimento.
Todos querem.





Ausente

23 05 2010

Minha ausência nesse blog incomoda, chega a dar náuseas!
Nem me lembro quando foi o último inédito.
Como se estivesse numa grande lata vazia com um canudo sugando o resto do líquido e fazendo aquele barulho característico.
Não tenho poema para ninguém.
Só estou aqui porque estou sem sono, digo, cansado e sem sono.
Qual o motivo de dizer o que sente?
É sempre a mesma história, começo a fazer perguntas ao invés de respondê-las, pergunto até o colapso das idéias, capaz de deixar qualquer um em dúvida sobre tudo e o nada.
Narrativa fantástica, live streaming e nada a dizer.
É isso, seu cérebro está com uma grande e terrível pedra.
Uma pedra de bloqueio mental.
De repente um soluço e… Nada de idéias.
É como andar para trás.
Artistas são assim, incompreensíveis e indefinidos.
Com tudo e nada a dizer.
Siga-me, unfollow me.
Cansei de rever textos antigos.





Inquietações

18 02 2009

Algumas coisas nos tiram a paz, nos deixam irriquietos, mesmo nos lugares mais silenciosos, como se houvesse um grande túnel sendo cavado dentro da cabeça. O que pega é que não são as pessoas, somos nós. Quantos minutos para ler um livro? Quanto livro para descançar?
É tudo uma questão de organização interna, você muda e todos mudam, o mundo silencia e eu escuto meus pensamentos. Quantos pontos de irritação há em seu dia?
Quando paramos de girar a caneta nas mãos ou paramos de bater as mãos contra a mesa, quantas questões humanas cabem em uma cabeça? Quantas palavras acalmam o espírito?
Aparentemente tudo é simples se você está quieto, há quem diga que a vida é isso mesmo, simples, nós a complicamos e pergunto quem poderia simplesmente viver sem medo de errar, sem medo de julgar, sem medo de ter medo, sem medo de ser feliz, sem medo de questionar, sem medo de lamentar?
Quantos temores aterrorizam nossa mente? Isso tudo me deixa muito inquieto e desconfortável na cadeira, tem algo de errado e eu não sei o que é, o que há e que deve ser feito?

Tudo isto é muito intrigante e preocupante, caminhamos para algum lugar sem saber o porque exatamente caminhamos, como é que viemos parar aqui?

O sofrimento não combina com a vida humana e essas inquietações só tiram a paz, em qualquer lugar…